NÚMEROS DA CIDADE

Salvador, capital do Estado da Bahia, é uma cidade de contrastes. É de um lado um importante polo de atração turística, sendo o segundo destino mais popular do país, e de outro apresenta os maiores índices de desigualdade social, com uma grande concentração da pobreza e de favelas. Os moradores em aglomerados subnormais chegam a representar mais de 30% da população.

Com mais de 2,6 milhões de habitantes, é o município mais populoso da Região Nordeste e a terceira maior capital do país.

As atividades turísticas e culturais são importantes geradores de emprego e renda da região, com destaque para sua posição como centro da cultura afro-brasileira.

Primeira capital do Brasil, ainda com o maior patrimônio cultural do Brasil colonial, vê o seu centro histórico em processo continuado de degradação econômica, social e física pela transferência dos serviços de maior renda para a região do Iguatemi / Camaragibe, hoje o principal centro de negócios da Bahia, com um entorno de residências de alto padrão.

Após um grande surto de crescimento devido à industrialização na Região Metropolitana, em sucessivas etapas, envolvendo o Polo Petroquímico de Camaçari, a implantação da indústria automobilística entrou em fase de acomodação, com menores taxas de crescimento.

Salvador em números

Fundação: 29 de março de 1549
Área: 693,3 km²
Densidade: 3859,35 hab/km²
IDH: 0,805
PIB: R$ 36.744.670,00
População do município: 2.675.656
População do Estado: 14.016.906





Habitação

O déficit habitacional no estado da Bahia totaliza a necessidade de 485.904 moradias: em âmbito nacional este déficit representa um percentual de 8,76%. Para a capital Salvador, o déficit habitacional é de 116 mil moradias, que em âmbito estadual revela uma participação de 23,88%. Do total de domicílios existentes na Bahia, 7,36% deles ou 302 mil encontram-se na condição de aglomerados subnormais (assentamentos irregulares conhecidos como favelas, invasões, entre outros), e são responsáveis por concentrar 32,03% da população do estado, o que faz com que a Bahia possua um dos maiores índices de população vivendo em situação precária. Os resultados de Salvador não diferem da condição do estado: o número de domicílios nestas condições representam 6,94% ou 275 mil moradias, onde residem em condições precárias um pouco mais de 882 mil pessoas ou 33,07% da população do município, número considerado alto para uma capital. A cidade possui a nona maior concentração de favelas entre os municípios do Brasil.


Transporte

Carros

A frota de veículos no estado da Bahia registrou um crescimento médio de 9,64% ao ano, entre 2008 e 2012. Já em Salvador, a taxa média de crescimento foi de 6,13%, totalizando 505.460veículos, enquanto nas cidades conurbadas a elevação foi superior, com um índice de 12,03%. Assim como em outros estados, as cidades conurbadas vêm apresentando um crescimento superior ao da capital. Na Grande Salvador, a taxa de crescimento médio da frota de automóveis nos últimos cinco anos foi de 12,03%, com destaque para as cidades de Itaparica e Vera Cruz, que atingiram percentuais de 16,51% e 16,14%. Na última década, o número de automóveis em Salvador apresentou um crescimento acumulado (2002 – 2012) de 74,37%; já nas cidades conurbadas houve uma elevação de 230,32%. Mesmo com o desenvolvimento dos municípios ao redor, Salvador ainda detém a maior representação no contingente estadual.


Ônibus

O transporte coletivo em Salvador atende por volta de 36 milhões de passageiros por mês, por meio de uma frota de 2.451 veículos. O sistema de ônibus é responsável por atender 94% da população que utiliza o transporte público.


Metrô

O metrô de Salvador reflete a precariedade de investimentos no modal. Há 14 anos foram iniciadas as obras para a construção do metrô, mas até agora ele não foi finalizado. Em alguns locais da cidade é possível encontrar trilhos, construções inacabadas e até mesmo trens que estão parados e em deterioração. O projeto original também sofreu alterações, já que inicialmente contava com a construção de 12 km de trilhos e posteriormente foi reduzido. Recentemente o metrô foi transferido da responsabilidade municipal para o Governo do Estado.


Trens metropolitanos

Operam apenas na parte suburbana da cidade e com uma estrutura precária. São dirigidos pela Companhia de Transportes de Salvador (CTS). Possui uma única linha em um trajeto de 13,5 km, transportando em média 330 mil passageiros por mês.


Porto de Salvador

É operado pela Companhia de Docas da Bahia (CODEBA) e possui a 8ª maior movimentação de contêineres do país. Movimenta em média 3.639.899 toneladas anualmente.


Aeroporto

O Aeroporto Internacional de Salvador - Deputado Luiz Eduardo Magalhães tem capacidade/ano para 12.900.000 passageiros, tendo movimentado, em 2012, 8.528.837 passageiros.


Saneamento

Do total de domicílios existentes na Bahia, 11,34% ou 464.282 mil residências não possuem água canalizada. Em Salvador, apenas 0,61% dos domicílios estão nesta situação. Os índices para o abastecimento de água são ótimos, com 98,89% dos domicílios sendo atendidos por uma rede geral. Nas cidades conurbadas, 3,70% dos domicílios não têm água canalizada. Sobre a forma de abastecimento, constata-se que 93,88% dos domicílios são atendidos por uma rede geral de água. Todas as cidades conurbadas possuem índices satisfatórios em relação ao nível de abastecimento de água por rede geral, entretanto o município de Dias D’Avilla mantém o menor percentual de abastecimento, com um índice de 88,30%.

O estado da Bahia apresenta baixos índices de atendimento por esgotamento sanitário, o que evidencia a carência de investimentos na área de saneamento. Do total de domicílios, apenas 45,40% das residências estão ligadas a uma rede geral de esgoto ou pluvial, enquanto 7,92% dos domicílios não são atendidas por uma rede de esgoto. Em Salvador, os resultados são melhores, já que o índice de atendimento aos domicílios por uma rede geral é de 90,80% e apenas 0,42% das residências não possuem nenhum tipo de atendimento sanitário.

Do total de domicílios existentes no estado, 76,21% possuem coleta de lixo. Deste universo, 61,12% têm como destino do lixo a coleta por serviços de limpeza. Nas demais 1,5 milhão de residências que representam 39,88% do total, o lixo é queimado, enterrado, jogado em terreno baldio, rio, lago ou mar. Em Salvador, o município apresenta índices melhores para o destino do lixo, com 96,65% dos domicílios com coleta, sendo 61,23% coletados por serviços de limpeza.


* Os dados constituem as versões mais atualizadas (2008 a 2012) das seguintes fontes: IBGE, Denatran, Prefeitura de Salvador e Governo do Estado da Bahia. Eles foram compilados e analisados pelo Depto. de Dados Setoriais do Sinaenco.