NÚMEROS DA CIDADE

A Grande Florianópolis envolve quatro municípios conurbados, entre eles a capital, totalizando uma população de mais de 826 mil pessoas, que representam 13,23% dos residentes em Santa Catarina. Somente a capital é responsável por mais de metade desta população.

Florianópolis destaca-se como a capital com o melhor índice de desenvolvimento humano, menor taxa de analfabetismo do país e maior renda per capita por domicílio.

A economia é alicerçada pelas atividades de serviços, administração pública e comércio, sendo estes setores fundamentais para a sustentação do emprego na região. Sem grandes indústrias, a capital catarinense vem renovando seu perfil econômico nos últimos anos e se destacando em âmbito nacional e internacional por deter um dos poucos polos tecnológicos existentes no país.

A capacidade da Grande Florianópolis pode ser vista através do crescimento de 305,02% do PIB na última década, que constitui 11,77% do resultado estadual. Outro ponto a se destacar é que ao contrário de outras regiões, o desenvolvimento não está centralizado apenas na capital e cidades que a cercam, mas também se amplia pelo estado como um todo.

Florianópolis consolidou-se ainda como o principal polo turístico de férias das regiões Sul e Sudeste brasileiras, contemplando segundas residências de famílias de maior renda de São Paulo, Rio de Janeiro e mesmo do Cone Sul.

Como tal, a sua população nos períodos de férias mais que dobra, gerando conflitos com a população local e provocando um dilema para os que sentem o incômodo do excesso de pessoas durante a temporada, que se tornaram, no entanto, uma importante fonte de sustentação econômica da cidade.

Por outro lado, essa variação sazonal de população e demanda pelos serviços leva a uma outra questão: como planejar os serviços públicos tendo em vista essas alterações?

Florianópolis em números

Fundação: 23 de março de 1726
Área: 671,6km²
Densidade: 627,24 hab/km²
IDH: 0,875 (0,847 em 2010)
PIB: R$ 9.806.534
População do município: 421.240
População do Estado: 6.248.436





Habitação

A cidade representa 23,09% do déficit de Santa Catarina. Comparado ao de outras capitais, o déficit habitacional no estado é muito baixo e em âmbito nacional possui uma participação ínfima de 0,68%. O número de aglomerados subnormais em Florianópolis representa 3,41% ou 5.027 moradias, onde residem em condições precárias por volta de 17 mil pessoas ou 4,20% da população residente no município.



Transporte

Carros

A frota de veículos em Santa Catarina registrou um crescimento médio de 7,80% ao ano, entre 2008 e 2012. Em Florianópolis, a taxa média de crescimento do número de veículos foi de 5,54%, totalizando 195.969 carros. Assim como em outros estados, as cidades conurbadas vêm apresentando um crescimento superior ao da capital. Nos municípios que se desenvolvem ao redor de Florianópolis, a taxa de crescimento médio da frota de automóveis nos últimos cinco anos foi de 8,91%, com destaque para a cidade de Palhoça, que atingiu uma elevação de 10,71%. Na última década, enquanto os números de veículo em Florianópolis tiveram um crescimento acumulado (2002 – 2012) de 66,78%, as cidades conurbadas registraram uma elevação de 128,36%, o dobro da obtida pela capital. A Grande Florianópolis alçou um crescimento de 88,06%, devido a importante contribuição dos municípios conurbados.

Ônibus

O transporte coletivo em Florianópolis atende em média 600 mil passageiros por dia através de 56 linhas. É composto por uma frota de 469 ônibus públicos, com um modelo de ampla integração físico-tarifária, estruturado através de 6 terminais de integração e com uma média mensal de 4.916.755 passageiros transportados.


Aeroporto

O Aeroporto Internacional Hercílio Luz – Florianópolis tem capacidade/ano de 4.177.800 passageiros, tendo movimentado, em 2012, 3.395.253 passageiros.

Saneamento

Do total de domicílios existentes no Estado somente 0,78% ou 15.632 residências não possuem água canalizada. Já em Florianópolis, apenas 0,11% dos domicílios não têm água canalizada. A cidade possui bons índices de abastecimento de água, sendo que 93,59% dos domicílios são atendidos por uma rede geral de água. Nas cidades conurbadas, apenas 0,39% das residências não têm água canalizada. Sobre a forma de abastecimento, constata-se que 93,19% dos domicílios são atendidos por uma rede geral de água. Todas as cidades conurbadas possuem bons índices de atendimento, sendo que o menor resultado pertence a Biguaçu, onde o nível de atendimento por rede geral é de apenas 81,69%.

Santa Catarina apresenta um bom nível de atendimento de esgotamento sanitário, pois do total de domicílios existentes, 99,71% possuem esgoto. Mesmo com este resultado, o esgotamento sanitário por rede geral tem baixa participação, de apenas 29,08%. No estado catarinense, o principal tipo de esgotamento é por fossa séptica ou rudimentar, representando 66,79%. Em Florianópolis, os resultados são melhores, já que o índice de atendimento aos domicílios por uma rede geral de esgoto é de 52,013%.

Do total de domicílios existentes no Estado, 92,78% possuem coleta de lixo e, deste universo, 89,12% tem como destino do lixo a coleta por serviços de limpeza. Nas demais 143 mil residências, que representam 10,88% do total, o lixo é queimado, enterrado, jogado em terreno baldio, rio, lago ou mar. A capital apresenta ótimos índices para o destino do lixo, com 99,83% dos domicílios com coleta de lixo. Dentro deste universo, 93,11% é coletado por serviços de limpeza.


* Os dados constituem as versões mais atualizadas (2008 a 2012) das seguintes fontes: IBGE, Denatran, Prefeitura de Florianópolis e Governo do Estado de Santa Catarina. Eles foram compilados e analisados pelo Depto. de Dados Setoriais do Sinaenco.