NÚMEROS DA CIDADE

Considerada a cidade mais verde da América Latina em 2011, mantendo ainda a condição de um espaço aprazível, Curitiba desenvolveu-se a partir de sucessivos planos urbanísticos, privilegiando o fortalecimento da região central como eixo estruturador. Desta forma, é uma das poucas capitais onde o centro tradicional mantém a sua vitalidade, apesar de outros polos terem se desenvolvido.

Nestes últimos 25 anos a capital sofreu a transição de sede de uma economia estadual predominantemente agrícola para sede de uma industrialização de grande porte, com um amplo desenvolvimento do comércio e dos serviços, sem perder a condição de uma cidade sustentável, apesar do crescimento dos bolsões de pobreza na sua periferia e nas cidades vizinhas que compõem a Região Metropolitana.

Pioneira na implantação do sistema de ônibus, atualmente conhecido como BRT, que depois foi adotado por Bogotá e de lá ganhou o mundo, retornando sob a denominação inglesa de Bus Rapid Transit, Curitiba hoje vivencia uma revisão de seu modelo de transporte, tendo em vista a saturação dos ônibus nos horários de pico, retomando a polêmica entre seu uso como o modo preferencial para o transporte coletivo e a validação do sistema metroviário para as ligações de maior densidade.


Ficha Técnica

Fundação: 29 de março de 1693
Área: 435,3 km²
Densidade: 4024,84 hab / km²
Habitantes na área urbana: 1.751.907
IDH: 0,856
PIB: R$ 53.106.497,00
População do Estado: 10.444.526



Transporte

Os veículos em Curitiba representam 27,53% da frota do estado do Paraná, sendo que esta participação vem diminuindo gradativamente ao longo dos últimos 05 anos, possivelmente influenciada pelo crescimento advindo das cidades conurbadas e região metropolitana. Na capital, que totaliza 953.281 veículos, o crescimento médio da frota de veículos gira em torno de 7,23% ao ano, e nas cidades conurbadas essa taxa é maior, com um percentual de 11,07% ao ano.

Quanto ao Metrô, no início da década de 90 se fez a primeira tentativa de viabilizar recursos para o novo modal. Em 1992, o Banco Mundial (Bird) disponibilizou R$ 100 milhões para um projeto, que não evoluiu.

Foram realizados diversos estudos e a Prefeitura de Curitiba concluiu um projeto para implantação do sistema metroviário em 2002. Já em 2007, o projeto do metrô curitibano entrou na lista de obras do PAC e, posteriormente, a intenção era que ele ficasse pronto para a Copa do Mundo de 2014, com inauguração prevista para janeiro do mesmo ano. Já em maio de 2013, a Prefeitura de Curitiba decidiu abrir procedimento de manifestação de interesse para reavaliação do projeto concluído em 2002, já que afirma que foram encontradas inconsistências.

O Sistema Integrado de Transporte de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana proporciona a integração físico-tarifária de 14 municípios da Grande Curitiba, que conta com 81 km de canaletas exclusivas, garantindo a circulação viária do transporte coletivo. Possui uma frota de 1.915 veículos, sendo que a relação frota / habitantes é de 912 habitantes por veículo.

O Aeroporto Internacional Afonso Pena, localizado na cidade conurbada de São José dos Pinhais, possui capacidade de transportar 7,8 milhões de passageiros ao ano, sendo que o movimento em 2012 foi de 6,9 milhões passageiros.


Habitação

O déficit habitacional no Paraná totaliza a necessidade de 213.157 moradias, o que representa 3,84% em âmbito nacional. Curitiba é responsável por concentrar 30,32% deste déficit estadual, o que representa a necessidade de implantação de 64.635 moradias. Do total de domicílios existentes no estado do Paraná, 1,87% deles ou 61.807 são aglomeradas subnormais (assentamentos irregulares conhecidos como favelas, invasões, entre outros), e são responsáveis por concentrar 2,09% da população do estado. Em Curitiba, o número de domicílios nestas condições representam 8,12% do total de domicílios existentes, exatamente 46.806 moradias. Nestas condições residem mais de 162 mil pessoas, ou seja, 9,32% da população do município. Nas cidades conurbadas, os números dos aglomerados subnormais são menores e totalizam 4.549 moradias, onde vivem por volta de 16 mil pessoas, que representam somente 3% da população residente.

Saneamento

O nível de atendimento no estado é muito bom e próximo à universalização, pois apenas 0,74% ou 24 mil domicílios não possuem água canalizada. Diferentemente de outros estados do país, no Paraná todos os municípios possuem algum tipo de tratamento da água. Do total de domicílios, 88,06% são abastecidos por uma rede geral, já 11,94% mantêm outra forma de abastecimento (poços, rios nascentes etc.). Na área urbana este índice sobe para 97,75%, sendo que apenas 2,25% das moradias têm outras formas de abastecimento. Em Curitiba, apenas 0,10% dos domicílios não tem água canalizada (593 moradias). O município mantêm excelentes índices de atendimento, sendo que 99,13% dos domicílios são abastecidos por uma rede geral. Já nas cidades conurbadas, 0,74% dos domicílios não têm água canalizada. Sobre a forma de abastecimento, os municípios de Colombo e Pinhais mantêm um nível de atendimento alto, com 97,08% e 99,17%. O município de Campina Grande do Sul apresenta o menor índice de abastecimento por rede, com um atendimento de 82,86%.

No Paraná, a universalização do sistema de esgotamento sanitário está distante de ser alcançado, já que o estado detém um baixo índice de atendimento aos domicílios. Do total, apenas 53,33% das residências têm como tipo de esgotamento sanitário uma rede geral de esgoto ou pluvial. Os demais 46,67% têm como tipo de esgotamento fossa séptica ou rudimentar, valas, rio, lago ou mar. É importante destacar que 0,36% dos domicílios não são atendidos por nenhum tipo de esgotamento sanitário. Em Curitiba, os resultados são bem melhores, já que o índice de atendimento aos domicílios que têm como tipo de esgotamento sanitário uma rede geral ou pluvial é de 92,34%. As demais 7,59% moradias possuem outras formas de abastecimento e apenas 0,07% não são atendidas por nenhum tipo de esgotamento.

Quanto à coleta de lixo, do total de domicílios existentes no Paraná, 90,42% possuem o lixo coletado. Deste universo, 87,17% tem como destino do lixo a coleta por serviços de limpeza. Nos demais 12,83% ou 423 mil residências, o lixo é queimado, enterrado, jogado em terreno baldio, rio, lago ou mar. Curitiba apresenta ótimos índices para o destino do lixo, sendo que do total de domicílios existentes, 99,91% possuem coleta de lixo.